O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 

apagão de pilotos

Aeroclubes não conseguem formar comandantes para aviões de grande porte e as empresas aéreas têm dificuldade para montar suas equipes no Brasil. A formação de novos comandantes não vem acompanhando a força da indústria da aviação, que cresceu 27% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, e deve seguir em ritmo acelerado na próxima década.

Desde 2005, houve um êxodo de comandantes para o Exterior. Pelo menos 600 se transferiram para a Ásia e o Oriente Médio, onde os salários são bem mais atraentes. A remuneração de um comandante aqui parte de R$ 6 mil e chega a R$ 18 mil. Lá fora, começa em torno de R$ 11 mil e alcança cerca de R$ 27 mil. Outro problema é a desatualização das escolas de aviação. Essas escolas deixaram de receber incentivos do governo e praticamente pararam no tempo.

Em 2008, foram habilitados 333 novos pilotos.

Em 2009, o número caiu para 230.

Nos três primeiros meses deste anos foram 56.

Para obter a licença de piloto comercial são exigidas 150 horas de voo.

Mas as grandes empresas não contratam pilotos com menos de 500 horas de voo.

E para ser comandante é necessário ter pelo menos mil horas se o candidato tiver formação superior em ciências Aeronáuticas.

Se possuir apenas o segundo grau, são necessárias 1.500 horas.

Por isso, quem obtém o brevê tem de ganhar experiência por conta própria para estar apto a entrar numa grande companhia.

O custo elevado da formação também limita o acesso ao curso de aviador. Para tornar-se piloto comercial é preciso gastar R$ 70 mil o preço da hora de voo varia entre R$ 240 e R$ 800.

Para amenizar a situação, a Anac lançou mão de um artifício usado na década de 1970: vai bancar a formação, com a concessão de bolsas, de 213 novos pilotos, sendo 139 privados e 74 comerciais. Para tanto, firmou convênio com 19 aeroclubes de oito Estados e vai desembolsar R$ 3 milhões, recursos do Programa de Desenvolvimento da Aviação Civil do Ministério da Defesa. Mais de 400 candidatos se inscreveram.

Profissões do setor de aviação civil e militar

Você já pensou em desenvolver sua carreira profissional na aviação?

Então, conheça aqui algumas profissões de um dos setores mais estratégicos para o Brasil e que, a cada ano, oferece inúmeras oportunidades de trabalho.

 

1 - Aviação civil

• Aeroportuário

• Aeroviário

• Despachante Operacional de Voo

• Especialista em Regulação - ANAC

• Fiscal de Pátio

• Piloto Agrícola

• Piloto Comercial

• Piloto de Linha Aérea

• Piloto Privado

• Técnico em Regulação – ANAC

 

2 - Aviação civil e militar

• Comissário de Bordo

• Controlador de Voo

• Instrutor de Voo

• Mecânico de Manutenção Aeronáutica

• Mecânico de Voo

• Piloto de Helicóptero

• Piloto de Provas

 

3 - Aviação militar

• Piloto de Caça

• Mestre de Carga

• Mestre de Salto

• Oficial da Força Aérea

• Piloto Antártico

• Piloto de Patrulha

• Piloto de Reconhecimento

• Piloto de Reabastecimento

• Piloto de Transporte

• Piloto Inspetor

• Piloto Militar

• Piloto de Busca e Salvamento

 

 

2015 Dr.Giuliano Cruz Barretto - Av. Cel Prates, 348 - 6º andar - Sala 613 - Edifício Athenas
Centro - Montes Claros - MG - Tel (38) 3216-9514